Skip to main content

Preparação da Ninja 250R para a pista

A decisão de modificar a moto para se adequar ao ambiente da pista considerou aspectos de segurança, técnicos e financeiros.

Ninja 250R desmontada durante a preparação

Para essa etapa conseguimos o apoio de duas empresas de preparação de motos e de alguns fabricantes de peças e acessórios. A Procomps, comandada pelo Carlão (11 7738-7428), ficou responsável por efetuar as mudanças na moto e contou com a ajuda do Bitenca, consultor técnico do Motonline. A Pica Pau Racing, concessionária oficial Kawasaki e patrocinadora da Copa Ninja, nos forneceu as pedaleiras, desenvolvidas por eles mesmos, e um lugar no seu box em Interlagos para os dias da corrida.

Carlão e Bitenca executaram a preparação da motoSergio, responsável pela Pica Pau Racing, discutindo o planejamento da preparação

Algumas partes originais da Ninja 250R raspam com certa facilidade nas curvas e podem eventualmente provocar uma queda. A ponteira original do escapamento é bastante grande e tocou a pista durante os treinos. Esta foi substituída por uma ponteira esportiva, fornecida pela WR, que soma alguns cavalos de potência, é menor, mais leve e não toca o chão com facilidade. Substituímos as pedaleiras originais por pedaleiras de competição, que ficam posicionadas mais atrás e para cima em relação às originais. Assim, ficam mais distantes do chão e proporcionam uma melhor posição de pilotagem.

O guidon original, que é fixado por cima da mesa, foi substituído por um guidon do tipo “clip on”, da Berro Moto Systems, que foi fixado na bengala da moto por baixo da mesa. Essa mudança deixa a posição de pilotagem mais esportiva, melhorando a aerodinâmica do conjunto moto piloto.

Detalhe do câmbio invertido e sensor fixado no quadroOutra mudança importante foi a inversão do câmbio. O câmbio original, com a primeira marcha para baixo e as demais para cima, dificulta a subida de marchas em curvas para a esquerda. Ao colocar a bota por baixo do pedal de câmbio, esta pode tocar o chão. Com o câmbio invertido, com a primeira marcha para cima e demais para baixo, para subir marcha basta tocar o pedal por cima. Do ponto de vista técnico, inverter o câmbio é uma tarefa bastante simples. A parte complicada é o piloto, que após alguns anos acostumado a subir marcha acionando o pedal para cima, precisa inverter e incorporar o novo procedimento.

No autódromo, em conversas com mecânicos e pilotos que lidam com a ninjinha desde o início do ano, foi levantado um ponto importante que não havia sido detectado durante os treinos. Na adaptação da moto para uso na pista, vários pilotos caíram durante o processo de evolução. Na parte do quadro onde é fixado o descanso lateral existe uma protuberância que numa curva fechada para a esquerda, entra em contato com a pista, levantando a moto e derrubando o piloto. Para evitar esse problema, as equipes costumam cortar essa parte do quadro. Como a moto usada neste projeto pertence à Kawasaki, essa modificação não foi realizada. Para nossa segurança, anexamos uma peça que entra em contato com a pista antes do chassi, por estar fixada 2 cm abaixo dele, com o objetivo de servir de sensor e identificar o limite máximo de inclinação durante os treinos, antes que o contato com o chassi ocorresse.

Ninja 250R original

Algumas outras partes originais da moto, como farol, lanterna traseira e piscas são desnecessárias para a pista. Sua retirada reduz o peso da moto, bem como o risco financeiro. Apesar da Ninja 250R zero custar por volta de R$16.000,00, um valor não tão alto para uma moto esportiva, uma queda com a moto original pode gerar facilmente um prejuízo de 50% do valor da moto, se envolver carenagem, farol, pisca e algumas outras partes. Todas essas partes foram retiradas e a carenagem original foi substituída por uma carenagem de pista, feita em fibra de vidro, que tem um custo bem menor, por volta de R$1.000,00. Para a carenagem de pista e a pintura da mesma contamos com o apoio de empresas parceiras da Procomps.

Bitenca com a moto preparada para a corrida

Apesar da Kawasaki dizer que a Ninja 250R original é adequada para o uso em pistas e para a Copa Ninja, não é bem isso que mostra a realidade. Para que o piloto possa utilizar todo o potencial da motocicleta, muitas mudanças precisam ser feitas. No nosso caso, pudemos facilmente perceber que todas as mudanças descritas deixaram a moto mais leve, mais rápida, mais potente, mais segura e reduziram significativamente o risco financeiro em caso de queda.

No próximo capítulo, vamos colocar a prova todo o conhecimento pessoal adquirido até aqui e, com o apoio de todos os parceiros, buscar o resultado na prática em uma etapa da Copa Ninja!!!

Veja no vídeo abaixo algumas imagens da preparação da moto.

Obs.: Para facilitar a discussão sobre esse assunto, além da área de comentários abaixo, criamos um tópico no fórum para os motonliners que preferem este formato. Clique aqui para acessar o tópico.

Veja também os outros capítulos:

Capítulo 1 - Lugar de acelerar é NA PISTA

Capítulo 2 - Conheça o ambiente da pista

Capítulo 3 - Motocicleta e equipamentos: faça a escolha certa

Capítulo 4 - Primeiro contato com a pista

Capítulo 5 - A evolução ocorre com o treino

Capítulo 6 - Preparação da Ninja 250R para a pista

Capítulo 7 - Copa Ninja